quinta-feira, 20 de outubro de 2016

DAVI, O ESPANTA GIGANTES

        

         Mais um dia constrangedor para o rei Saul e seu exército. Aquele filisteu gigante, já há vários dias, repetia a sua atitude “desaforada”. Era patético e irritante o modo como ele saía dentre as fileiras do seu exército. Todos se afastavam e o ovacionavam ao vê-lo passar. Então, com um sorriso irônico, cheio de arrogância, ele gritava: “- Cadê os homens de Israel? Tá faltando homem aí, é? Quero um homem para nós dois lutarmos! Vocês judeus são uns covardes; uns Manés!”
         Nenhum dos experientes e valentes capitães do célebre e vitorioso rei Saul se prontificou a enfrentar o ‘grandalhão’ filisteu...
         Naquele momento, Davi chega ao acampamento dos israelitas. A sua missão era a de levar mantimentos aos seus irmãos que faziam parte daquele humilhado exército. À medida que o jovem pastor de ovelhas, filho caçula da família, obtém informações acerca da situação, ele fica indignado com a atitude do gigante. A reação do pequenino, diante da afronta inimiga, determina um dos mais notáveis episódios de superação de obstáculos da história judaica.
        Entretanto, ao ficar ciente das intenções e da disponibilidade do jovem pastor, o rei Saul manda chamá-lo (I Sam. 17:31), informando as desvantagens de Davi, em relação ao experiente filisteu(I Sam. 17:33). O rei demonstra                      preocupação para com Davi e sua segurança. Davi retruca e testemunha de suas vitórias anteriores, diante das feras que venceu, para salvar o rebanho que pastoreava; afirma, também, a sua confiança na providência e fidelidade do Deus de Israel (I Sam. 17: 34 – 37).
         Depois de alguns atropelos, o valente jovem parte para a luta. Ele enfrenta um temível adversário, mas não se intimida com o seu tamanho, palavras ou armas. Ele não se desconcentra e nem se descontrola com seus xingamentos. Apenas focaliza o objetivo, e exalta ao seu Amado Deus.


(Histórias de Pescadores – Aprendendo a Viver, Lendo a Vida. Ed. Novo Horizonte, 2008, p. 33. Túlio Vasconcelos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário