terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

DE PORTA EM PORTA


                                 DE PORTA EM PORTA

O filme se inicia com um homem chamado Bill Porter, em sua preparação para uma nova etapa de sua vida. O mesmo estaria vendendo produtos de higiene, para roupas e de usos gerais. Ele abraçou o desafio de vender os itens mais difíceis de serem vendidos; assim, ele inicia as atividades abordando pessoas de casa em casa. Ressalto que uma das coisas que mais me impressionaram é a sua habilidade de convencer a outrem de que é capaz de vender.
Apesar de possuir deficiência na fala e no andar, ele se mostra uma pessoa extremamente capaz e humilde. Sua mãe, grande incentivadora, sempre o exortava a ser persistente e paciente com seus clientes. Identifiquei-me com o filme, pois o protagonista- assim como eu, ou qualquer outra pessoa – teve de ultrapassar muitas barreiras. A trama teve seu início na década de 50, quando Bill iniciava sua vida de vendedor; à medida que presenciava o descrédito daqueles a quem ele deveria representar, tanto quanto de quem ele teria como clientes, em potencial. Mas o que mais pode ser admirado nele, dentre muitos fatores, é a sua determinação. Pois, apesar de muitas de suas limitações, ele também não abre mão de sua dignidade e honestidade.
Bill é um homem ético e integro, e procura vários meios para vender e também estabelecer um vínculo de confiança com seus clientes ele enxergando os problemas existentes nas casas, nas vidas, daqueles a quem vai vender... Ele não só conhece bem seus produtos, como consegue enxergar as formas pelas quais eles podem ser inseridos no contexto de melhor utilização, pelas pessoas.

Sua mãe adquire uma doença degenerativa, e Bill continua a viver de suas vendas, adquirindo o suficiente para sua sobrevivência e cuidados com sua mãe. A cada dia, em meios aos desafios, Bill consegue achar meios para conquistar sua clientela. Interessante, é que muitas vezes nós nos deparamos com pequenos obstáculos e queremos desistir, porém Bill Porter se mostra perseverante e continua acreditando em seu trabalho. O vendedor precisa além da técnica, e visão, possuir esse atributo, uma vez que ele deve ser o primeiro a acreditar em sua função.
Morre a mãe de Bill, agora ele lida “sozinho” com a vida. Ao adquirir um problema na coluna, por carregar os produtos, Bill ganha o auxílio de uma jovem chamada Shane. Ela não apenas se torna sua empregada como também uma companheira em sua labuta, uma amiga. Aquele vendedor, como qualquer ser humano, necessita de ajuda, e sua amiga se torna essa ajuda. Ela passa a lhe dar assistência com as entregas dos pedidos.
John Maxwell, em seu livro, “As 21 indispensáveis virtudes de um líder”, destaca algumas qualidades que devem estar presentes na vida de alguém que exerce a liderança; quer seja como empreendedor ou líder eclesiástico. Ele enfatiza duas delas: caráter e atitude. O mundo precisa de vendedores providos com essas características, pois um profissional que não possua um bom caráter não terá credibilidade com seus clientes; e alguém que não tenha atitude não alcançará as metas que lhe são estipuladas. Bill Porter se destaca nesse sentido porque apesar de suas limitações, ele não parava; estava sempre em atividade, procurando vender. E mesmo quando clientes batiam as portas em sua face ele não desistia; aliás, parecia, muitas vezes, não fazer caso dessas situações, pois não demonstrava desânimo.
 Bill participa, também, da alegria de ver Shane formada, e ela continua a cuidar dele.
 Numa festa de confraternização e premiações da Watkins – empresa da qual ele é representante – o nosso herói encontra com um jovem que substituiria o homem que o colocou no mundo das vendas, o nome do substituto é Peter, que logo demonstra desprezo por Porter. Sentimento este, que é substituído pelos aplausos quando Bill, naquela mesma circunstância, é eleito o vendedor do ano.
O filme de Porta em Porta, nos faz analisar muitas coisas e nos dá um gás para nós que seguimos ou pretendemos seguir pelo Campus de vendas. De fato, as virtudes ensinadas pela sua mãe, e aplicada por Bill Porter (Paciência e Persistência), são temas que devem estar sempre presentes em nossas vidas. Pois cabe a nós, vendedores, mantermos a inspiração, motivação nos dias maus; e sermos essas pontes entre o cliente e o produto, enxergando os problemas com uma solução pronta em mãos. Bill Porter é de fato um exemplo a ser seguido, de que jamais devemos desistir dos nossos sonhos, planos, sonhos e metas; mesmo que, para isso tenhamos que buscá-los de porta em porta.
                                                                      Lucas Mádson


                                                                                                                                            
NOTA: Lucas Mádson é aluno do PROGRAMA TVASC DE FORMAÇÃO DE NOVOS VENDEDORES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário